O Papa em Portugal

A nossa TV repete incansável a notícia da hora, seja a vinda do Papa a Portugal, o vulcão no norte da Europa, o tremor de terra na Ásia, o capeonato de futebol ou peregrinação a Fátima.
Se alguém temesse passar ao lado de tão grandes acontecimentos, a antecedência e a insistência com que são noticiadas, descansaria de imediato esse temor.
Papa antes do Papa, durante o Papa e ainda durará muito depois do Papa.
Os aviões onde ele viajará e o seu papamóvel, a decoração especial do quarto onde descansará, as cadeiras feitas em madeira especial, por artesão especial, para sentarem os "simsenhores" especiais, o microfone coberto de película de ouro, as ementas especialíssimas das refeições do velho senhor, a honra imensa de o ver, de o ouvir, de receber a Santa Hóstia da sua santa mão.
Queixam-se os pequenos comerciantes que viram o trânsito cortado nas suas ruas desde domingo, os pais que não têm onde deixar os filhos nos dias de feriado, os motoristas que têm de dar voltas enormes para chegar aos destinos.
Polícia, segurança, protocolo.
A despesa é imensa. O país pára.
Tanta pompa e circunstância para receber o homem que deve fazer apologia ao despojamento, à partilha, à pobreza!
No domingo foi o Benfica. Hoje foi o Papa. Depois será Fátima.
O desemprego, a violência, a desilusão, as fraudes e mais, ficam esquecidos perante "momentos tão emocionantes e vivências tão importantes".
A TV insiste e nós resistimos.
(Nota: A vinda do Papa é uma mensagem de esperança, porque se temos tanto para gastar é porque afinal não estamos assim tão mal!!! Ou será "perdidos por cem... perdidos por mil"?)

2 comentários:

Nuno Medon disse...

O Papa Móvel mais parece o carro do Batman...lol.. beijos

Filipa disse...

não podia estar mais de acordo. é revoltante. daria p rir se não fosse trágico como se costuma dizer.
beijos